Alfarrábios do Generoso: VIDAS QUE GIRAM

Alfarrábios do Generoso: VIDAS QUE GIRAM: O DERRADEIRO PATAMAR Ah, se o mundo nos fosse obediente Ao desejo exclusivista Em que tudo se fizesse doce De forma alegre e per...

VIDAS QUE GIRAM


O DERRADEIRO PATAMAR

Ah, se o mundo nos fosse obediente
Ao desejo exclusivista
Em que tudo se fizesse doce
De forma alegre e permanente
Dentre os mais, fôssemos nós,
Sempre o primeiro da lista.

Não se requer um muito pensar
Sobre essa real impossibilidade
Que nos salta à vista
E, entre bons e maus
A ordem emergia
Desse imenso caos.

A partir de um senso
Ou ordenada hierarquia.
Se certo ou errado
Pouco importa
O  fim do resultado.

E se nos dermos por inteiro
Ao trabalho de nos por
Nas escalas de valor
E de Amor
No patamar derradeiro
Por ordem de inversão de fator,
Havemos de ser os primeiros
Quando a Terra girar invertida
Da sua rotação costumeira.

Gegê 22.051994

Geraldo Generoso - BRAZIL



Alfarrábios do Generoso: AFINAL, E O JUÍZO?

Alfarrábios do Generoso: AFINAL, E O JUÍZO?: 1 O ÚLTIMO DESPERTAR GeGê Alguns falam em carma, Outros, em Graça... Mas, o que existe no pensar É apenas ...

AFINAL, E O JUÍZO?

1
O ÚLTIMO DESPERTAR
GeGê
Alguns falam em carma,
Outros, em Graça...
Mas, o que existe no pensar
É apenas m mistério insondável
Em cada minuto que passa.
Há pessoas que falam em Deus,
Outras discorrem sobre Satã,
Há até os que se dizem ateus,
Mas sempre restam dúvidas
Sobre o hoje e os amanhãs!
Nesse dilema profundo
Eu sei apenas que não sei de nada
Sobre este e o outro mundo...
É apenas uma passagem
Entre o riso e a tragédia:
Nada se escuta além da estrada,
Sobre a vida não há rédea.
Muitos falam em trombetas
Acordando os mortos
Num juízo irrecorrível,
De anjos e capetas,
Na chegada de um tempo horrível .
Há os que falam em trombeta audível
Mas a trombeta angelical
Talvez foi ultrapassada
Por instrumentos de decibéis mais fortes,
Capazes de acordar
O mundo de sul a norte.
Haverá – quem sabe? – sobressalto
Nos mortos ao acordar,
Cujo primeiro gesto
Será, talvez, o longo espreguiçar de um longo sono...
E ao retornar à vida,
Que, por viver, souberam dura
Com sobras de dor e mágoas,
Ao despertar, ao pé da sepultura,
Que não falte na torneira a água;
Que se avise a Polícia, a Prefeitura,
Pra marcar ordem nessa fila renascida,
Para os ex-mortos lavarem os rostos
No recomeço de mais uma vida.

Alfarrábios do Generoso: FELICIDADE É O FUNDAMENTO DA VIDA

Alfarrábios do Generoso: FELICIDADE É O FUNDAMENTO DA VIDA: FELICIDADE É UM LEMA FUNDAMENTAL A   menção da palavra felicidade nos conduz a uma avaliação subjetiva sobre o que ela represen...

FELICIDADE É O FUNDAMENTO DA VIDA



FELICIDADE É UM LEMA FUNDAMENTAL



A  menção da palavra felicidade nos conduz a uma avaliação subjetiva sobre o que ela representa, ou deveria representar, para cada um de nós em especial. Em tudo quanto se relaciona a nossos valores humanos, fazemo-nos responsivos de uma forma específica a tal questão, de profundo significado para nossa vida.

            Na maioria das vezes, a apreensão desse significado se torna de difícil interpretação. Mais por sua condição semântica do que por eventuais divergências filosóficas.

Para o presente objetivo – o de explanar sobre felicidade – é que se tentou usar da maior clareza possível, recorrendo a uma terminologia de alta precisão. Para tanto, vamos fragmentar em minudências, elegendo os conteúdos essenciais,  prestando aos mesmos um sentido da  maior exatidão possível.

 Para apreensão mais compreensível do significado da palavra Felicidade, convém estabelecer uma base objetiva, ainda que de sistematização impossível. Para tanto valem os fundamentos da ORDEM ROSACRUZ – AMORC, a eles acrescentando ou retemperando suas teses, os estudos empreendidos por psicólogos, cabendo citar as ponderações do Dr. Emílio Myra y Lopez.

A par das considerações magistrais do Dr. Myra y Lopez, serão acrescidas algumas colocações  do místico americano JOEL S. GOLDSMITH. Este último, transacionado para o Plano Cósmico em 1964, nos elucida um grande legado em seu trabalho de místico itinerante  por  longos anos, que se denominou THE INFINITE WAY – O CAMINHO  INFINITO.

Mesclando essas teses, que nos parecem válidas ao presente tema, completando a Terceira Ponta de Nosso Sagrado Triângulo, juntaremos o caldeamento dos riquíssimos e milenares ensinamentos Rosacruzes .

Em nenhum momento desta tríplice junção advém qualquer conflito de significados que sustentam a presente exposição. Muito pelo contrário, um acrescenta-se ao outro de molde a plasmar as verdades simples e ao alcance de qualquer de nós.

Também  experiência pessoal vivida, somada àquelas tomadas de empréstimo, sob as mais diferentes condições, leva-nos a folgar sobre a validade da presente proposição.

Em que pesem vários decênios de estudos místicos, a ninguém, mesmo em tais condições, será lícito arvorar maestria, pois tal atributo  - bem o sabemos – é de exclusividade do Supremo Arquiteto, em sua sábia regência do Universo.
Por outro lado, a bem da verdade, cumpre enfatizar que tudo o que aqui se enuncia, foi previamente, e em muitas vezes – testado e comprovado em instantes  plácidos ou em momentos turbulentos, sempre e sempre com a mesma eficácia. Ainda que sem a pretensão de erigir-se  em  dogma,  não há porque negar tais evidências.


A busca da felicidade


Cem por cento da humanidade, sem exceção,  acalenta esse objetivo  justo de encontrar e manter a felicidade. Humanamente impossível se deparar com alguém – em condições satisfatórias de sanidade mental – que não se encontre empenhado nessa tarefa cósmica: ser feliz.

          Por outro lado, para uma esmagadora maioria, essa procura se demonstra interminável e/ou sempre adiada. As evidências demonstram à farta que a ânsia  pela  felicidade se engasta como joia congênita, em cada coração humano.

         É  válido observar que a linguagem , por melhor manejada que se faça sobre esse assunto capital da vida humana, às vezes mais confunde do que explica .Nessa busca interminável, cada qual de nós constata a sua universalidade, mas dificilmente entende o seu porquê.

         Num sentido de comunicação superior ,  as coisas são e  não são ao mesmo tempo;    fazem–se  indefiníveis à luz de um conceito  humano corriqueiro e explicável.

         Mas  pode-se afirmar que a busca da felicidade se traduz num anelo  humano legítimo, que sintetiza dia e noite, a cada minuto, tudo o mais. E, na verdade, essa  busca infrene não faz um sentido lógico.

       A felicidade mora dentro de nós mesmos.  Qualquer que se dirija a uma casa que não seja a sua,  será sempre hóspede, nunca anfitrião. Felicidade só existe se nós nos mantivermos em  nossa própria casa, isto é, em  nosso próprio ser.
                        
                                                      

Receitas de FelicidadeNem sempre funcionam

Na vida nem todos temos a felicidade de boas companhias. Que sejam inspiradoras e nos  iluminem na longa senda da vida.  E até preocupados com a boa sorte, ao nosso jeito, procuramos nos agregar a outras mentes que nos auxiliem chegar e conosco caminhar juntas na procura desse bem fundamental.

            Inobstante, nem sempre esses companheiros – tanto quanto nós – se demonstram aptos a lograr êxito nessa jornada comum. Não raro nos direcionamos a vias opostas, mormente na juventude, por conta de conselhos e exemplos nem sempre  os mais adequados.
       
          Confundimos, por vezes, alegria com algazarra e,  prazer,  com felicidade. Bem ilustra esta cósmica e atávica disposição humana a parábola do Filho Pródigo, de que nos fala a Bíblia judaico-cristã.

            O puritanismo, excessivamente inimigo declarado do prazer, também não se presta à melhor receita para a felicidade.  Nossa contextura física, mental e emocional,  não pode prescindir de certos atributos naturais que, enquanto humanos, somos levados a experienciar. 

            Nada há de mais danoso do que uma vida sem qualquer emoção. Ajuizamos até preferível  sentir conscientemente o descenso das marés de nossa existência e entender esse fluxo em sua naturalidade irreversível. Estas “descidas” abrem um estuário de novas forças, conduzindo-nos a avançar para novos horizontes.

-         Ajuste Interior –

Em pauta também há um  outro fator de suma importância: a felicidade de cada pessoa pode apresentar mil definições, mas em síntese, consiste tão só num ajuste consigo própria na aceitação de si mesma. 

            Nessa auto-aceitação, obviamente, há de se manter por certo como passível de melhora, a cada passo, pela escada infinita da perfeição.  A posse de uma harmonia interior que se revela como uma força estática e dinâmica ao mesmo tempo.

            A Ordem Rosacruz, a certa altura de seus ensinamentos, afirma categoricamente uma promessa que cada qual de nós, se formos sinceros, iremos comprovar ao longo da vida:

  “os princípios rosacruzes não serão meras frivolidades para serem testadas na bonança. São, sob todas as condições, sólidos pisos, capazes de resistir às mais terríveis tempestades.”

A Importância da Racionalidade


A felicidade, pouquíssimas vezes, apesar da inflação dos livros  sobre autoajuda, se faz num objeto de estudo e análise.  Frequentemente as ciências e o conhecimento de modo geral nos sugerem coisas e situações que nos fazem felizes. Ou melhor dizendo, a tal nos motivam.  Mas quantos não podem afirmar o quão difícil se mostram o poder abrir os portais dessa cidade sagrada.

            Quanto a nós, rosacruzes, ao longo da História,  enfrentando os naturais solavancos dessa longa jornada,  somos  uma exceção nesse quadro caótico. 

         Nossos passos, em determinada medida, se cadenciam de forma diferente dos passos do grosso da humanidade. Longe de nós qualquer pretensão em sequer sugerir que tal condição nos faça melhores do que quaisquer outros grupos de pessoas. A diferença reside no fato de que mantemos consciência do porquê da senda, que sempre procuramos iluminar.

            Em remotos tempos, foram de nossas mãos que saíram as primeiras tochas, ainda no Velho Egito, sob grutas camufladas. Sabíamos já, nessa época, que de uma gruta tosca de Belém, haveria de surgir a Luz do Mundo.

Meditação e Análise


            A grande inscrição no Templo de Delfos, “Conhece-te a ti mesmo”, mais de uma vez tem sido incorretamente interpretada em sua significação exata. 

          Essa advertência não se resume em um aspecto meramente filosófico. Atravessa os milênios como uma chave universal, capaz de abrir qualquer coração.

            Conhecer a si mesmo não se reduz ao mero conhecimento do temperamento ou caráter. Consiste em saber,  como os dizeres bíblicos de João: “Maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo”. 

            Isto se resume em conscientizar, bem no fundo da alma, que Deus habita o interior de cada pessoa. É o lado de nossa dimensão cósmica indefinível, uma com o Universo e perfeitamente integrada com a Mente Divina.

            Aí reside o segredo dos segredos. Basta buscar essa Presença no silêncio, que é a voz de Deus e de todas as coisas. Assim encontrará o maná perene que não se desfaz com o tempo e nos coloca ao abrigo de todas as tempestades. A cavaleiro de todos os temores.

Amor – Segredo  de Felicidade


Sempre e sempre a maioria das pessoas envereda-se pela via inversa da verdadeira arte de ser feliz. Isto ocorre quando se admite que o estado feliz consiste em a pessoa sentir-se amada.

Isto é o mesmo que a lesma crer que o caracol é o seu mundo. A esta altura, as palavras por si mesmas não alcançam exprimir a verdade de forma cabal e definitiva. Mas a prática a torna óbvia  a quem desejar a comprovação, bastando cultivar de forma ativa, permanente e dedicada, o amor que a tudo redime.

No momento mesmo em que liberamos o amor de nossos corações, integramo-nos com as forças mais poderosas do Universo e nos sintonizamos com as grandes potências criativas. Juntamo-nos àqueles seres iluminados e o nosso mundo se abre ao infinito. Assim se cumpre a profética promessa: “as mais altas inteligências estarão desejosas de nos servir”, tudo isto quando o propósito justificar essa ação das Grandes Mentes, ou mesmo a interação cósmica requerida.

O grande obstáculo a transpor, curiosamente, está no intelecto, tão inclinado e restrito ao mundo objetivo,  restrito a uma redoma  estreita e  acanhada .

Discorrer sobre o tema felicidade   é um desafio inevitável  em tentar abordar algo que é subjetivo e restrito a cada um, sob um ponto de vista genérico e até certo ponto universal. Mas é de se crer que a felicidade tem muito a ver com moralidade e responsabilidade. Pode-se perceber, num grau mínimo de esforço, quão pobres em felicidade são aqueles e aquelas que  desprezam os humildes e hostilizam os ignorantes.
Tentações no caminho
A grande tentação do rosacruz, já se disse, pode advir da presunção. É quando nos consideramos,  por nossa condição de buscadores, muito mais sábios e iluminados do que nossos irmãos menos afortunados que se debatem nas sombras da escuridão. Na verdade, quando nos tornamos rosacruzes, praticantes das máximas e ensinamentos dos Grandes Mestres, propicia a inevitável sensação de se estar colocado alguns degraus acima, em nível de compreensão da vida, não tem outra finalidade do que ajudar nossos irmãos nessa escalada em que nos é comum, enquanto membros da raça humana.

Até por nos arrostar em nosso início tantos espinhos é que nosso  melhor preparo se nos fez possível e,  ato contínuo, capazes de espancar as sombras ao nosso derredor.

Portanto, a eeterna regra de ouro é AMAR. No sentido dinâmico e positivo. A fórmula parece simples, no que concordo com os que assim ajuizarem. 

Mas AMAR é uma disposição cósmica a que não nos podemos furtar. O progresso trouxe tantos novos expedientes na solução de praticamente todos os problemas humanos. 
Mas, apesar de tudo, só a água é verdadeiramente capaz de nos matar a sede e, dessa forma, nos manter a vida. Pois o amor pode ser comparado à água, como fonte de vida que nos preenche na eterna renovação do progresso sem fim a que Deus nos destinou.
Geraldo Generoso - Brasil




Alfarrábios do Generoso: Poesia Homenagem Póstuma

Alfarrábios do Generoso: Poesia Homenagem Póstuma: Homenaagem de um poeta comum, Geraldo Generoso, a um amigo incomum: Genésio Moretão. G ênio forte nas tinha bom humor, E m tom sincer...

Poesia Homenagem Póstuma

Homenaagem de um poeta comum, Geraldo Generoso, a um amigo incomum: Genésio Moretão.

Gênio forte nas tinha bom humor,
Em tom sincero sempre nos foi franco,
Nos deixa, sem querer, uma grande dor:
É esta saudade que nos dá seu tranco,
Saber agora de sua física ausência.
Inesquecível, mas em permanência.
O seu nome  jamais nos passará em branco.

Marcou sua vida sempre na decência,
O seu caráter sempre foi marcante
Repercutindo em sua descendência,
Espelho de franqueza, lúcido e constante,
Tem uma Alma em viva transparência.
Agora com o Senhor, na convivência
O céu agora o tem como habitante. 

Alfarrábios do Generoso: LUCYANA : MUSA DA MÚSICA SERTANEJA RAIZ

Alfarrábios do Generoso: LUCYANA : MUSA DA MÚSICA SERTANEJA RAIZ: ESTA É LUCYANA QUE, POR SUA BELEZA, TALENTO E CARISMA, MERECE SER RECONHECIDA COMO MUSA DA CANÇÃO SERTANEJA RAIZ E UNIVERSITÁRIA.  Pa...

Alfarrábios do Generoso: POESIA "PARÓDIA DE UMA NOITE LINDA'"

Alfarrábios do Generoso: POESIA "PARÓDIA DE UMA NOITE LINDA'": TOM SOBRE TOM O seu vestuário preto caiu-lhe muito bem a ponto de ninguém achar qualquer defeito. Vestida desse ...

POESIA "PARÓDIA DE UMA NOITE LINDA'"







TOM SOBRE TOM

O seu vestuário preto
caiu-lhe muito bem
a ponto de ninguém
achar qualquer defeito.

Vestida desse jeito
na  cor da noite que vem
a envolver um céu perfeito
que astros ocultos tem.

O  sub tom cor da tarde,
que é o moreno de sua tez,
com teu vestido interage.

Belo quadro concluído,
a mesclar sua morenez
ao negror do seu vestido.





Alfarrábios do Generoso: Poesia de sonho e verdade

Alfarrábios do Generoso: Poesia de sonho e verdade: QUANDO O SONHO É VERDADE Geraldo Generoso   Não se tira um tostão de   um sonho que gira em rotação, de estação em estação e...

Alfarrábios do Generoso: DEUS ESTÁ NU ?

Alfarrábios do Generoso: DEUS ESTÁ NU ?: Seguindo as trilhas não só de Friedrich Nietzche (1844-1900), que, diga-se de passagem, morreu louco, o filósofo francês Michel Onfray, ...

DEUS ESTÁ NU ?



Seguindo as trilhas não só de Friedrich Nietzche (1844-1900), que, diga-se de passagem, morreu louco, o filósofo francês Michel Onfray, também perfila com Marx e Engels, além de outros menos votados na cantilena do ateísmo.  


Quanto a comparar o Apóstolo Paulo com portadores de síndromes neuróticas em função do êxtase experimentado no caminho de Damasco, seria também de se perguntar ao filósofo, por raciocínio inverso, se as pessoas que ele diz histéricas não seriam, igualmente, portadoras de alguma ligação com a espiritualidade.                                                                                                                                                                                 

Talvez, se o nosso filósofo Michel Onfray atentasse para o fato de que “se a nossa vida se resumisse nesta curta passagem pelo mundo, seríamos as mais desgraçadas das criaturas“  - como ensinou São Paulo, então haveria de concluir que não é justo trocar uma incerteza pela outra, a religião por mera filosofia ou mesmo criar mais uma religião, suspeita como todas, porque arquitetadas por mãos humanas, que seria o seu bem freqüentado curso de  Ateísmo.      Geraldo Peres Generoso – Brazil.



Alfarrábios do Generoso: FELICIDADE SEMPRE PERTO

Alfarrábios do Generoso: FELICIDADE SEMPRE PERTO: A   MAOR FELICIDADE É A QUE ESTÁ MAIS PERTO... A   maioria de nós, seres humanos, vivemos a emitir promissórias da própria vida. Freqü...

FELICIDADE SEMPRE PERTO


A  MAOR FELICIDADE É A QUE ESTÁ MAIS PERTO...

A  maioria de nós, seres humanos, vivemos a emitir promissórias da própria vida. Freqüentemente, sacamos sobre o futuro, ou revolvemos as moedas do passado, com validade vencida. Tanto uma atitude quanto a outra faz abortar o presente.
            Seria de bom alvitre cada qual fazer um balanço de sua própria vida. Este dia que ora transcorre já morou nos sonhos. Foi embalado em nosso ontem pelo ideal projetado para o dia atual. Mas este dia que ora flui montado sobre os ponteiros do relógio, infelizmente não veio da forma imaginada.
            Tanto isto é verdadeiro que, assim como milhares de outras pessoas, enxergamos mas nem vimos a beleza do sol nascente com o canto dos primeiros pássaros da manhã. Ou nem percebemos se a chuva acariciou a relva ao abrirmos as janelas de nossa casa.
sto porque, tempos atrás, seguindo um hábito em linha reta, já tentamos viver este dia, em um outro dia qualquer. Assim, foi sobreposto este futuro, que será passado, sobre o ontem que deixamos de viver pensando no dia de hoje.
Auto-observação
Somente mediante uma acurada observação de nosso próprio modo de ser e de viver é possível mudar este hábito de deixar os bons momentos para o dia seguinte. Temos de mudar o costume de lançar nossa tenda no futuro. No ato de programarmos o porvir empregamos mal o presente. E não só isso, maltratamos o dia que passa como se ele não tivesse a mínima importância.
            Esta atitude, no entanto, é compreensível,  se analisada sob um aspecto fundamental: o senso natural de imortalidade. Como disse Jesus Cristo, ratificando as palavras de Davi’’vós sois deuses’’.
Mas enquanto seres humanos...
Por outro lado, nossa vida humana individual, nos faz partícipes de um cenário limitado.  Assim como, quando  em criança, brincávamos de pega-pega , amarelinha, peões e pipa, a vida humana, sob sua feição terrena, tem uma escala de momentos a ser vivida. Pouquíssimas pessoas sabem desempenhar o seu papel nesse jogo, ou brincar nesse brinquedo. O bem viver o dia presente é administrar bem  os  pensamentos, pensamentos e emoções de cada minuto. É  dar agora o abraço mais forte. Dizer a melhor palavra. Fazer a mais expressiva demonstração de apreço e a oferenda de nossa mais elevada gratidão. Falar com todas as palavras do nosso afeto aos que nos circundam. É colocar na ação deste momento o empenho mais entusiasta, a fé mais veemente, a atenção mais acurada, o nosso próprio ser, como um todo, neste dia que não voltará mais.
Sem medo de ser feliz !
            Pelo fato de cada ser humano dispor   de uma inata predisposição à felicidade, sob os aspectos  instintivo, mental e espiritual, fica evidente que  fomos  talhados para realizar  o melhor de nós  mesmos na face da Terra. Esta sublime tendência, às vezes nos conduz  à busca de estar  feliz em vez da busca de  ser  feliz. Nessa busca incorreta,  acabamos, temporariamente,  por nos perder  a nós mesmos. Sem nós, não há a  mínima  chance de qualquer  felicidade. Quando nos direcionamos na busca dos valores espirituais, aí  sim, somos e vivemos verdadeiramente felizes, ainda que atravessando períodos de turbulência. É para esta procura que fomos talhados por Deus ,a fim de levar avante o Seu projeto de eternidade, feito com os tijolinhos de cada dia de nossa existência.

            Geraldo Peres Generoso - FRC


Alfarrábios do Generoso: POESIA DO PÓ QUE SEREI

Alfarrábios do Generoso: POESIA DO PÓ QUE SEREI: Em que pó me  tornarei? Geraldo Generoso Mais um ano se vai, já se anuncia Um Ano Novo que também se irá No tempo se esvair a cada...

POESIA DO PÓ QUE SEREI


Em que pó me tornarei?

Geraldo Generoso
Mais um ano se vai, já se anuncia
Um Ano Novo que também se irá
No tempo se esvair a cada dia
E também dele nada restará.

Na realidade a vida se esvazia
No tempo que ela a viver nos dá;
De braços dados, dores e alegria,
Certo mesmo é que tudo passará.

Em letra crua o Velho Testamento
Nos adverte, sem constrangimento:
Do pó vieste em pó serás tornado.

Todavia em meu caso é diferente:
Por Você não serei tão pó somente,
Serei um eterno Pó Enamorado.

31.12.2018 -

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...